fbpx

Bárbaros | Crítica


Bárbaros é a nova produção original Netflix a estrear na plataforma. Criado por Arne Nolting, Jan Martin Scharf, Andreas Hackmann, dirigido Por Barbara Eder e produzida na Alemanha, a série retrata a histórica batalha na floresta de Teutoburgo.

A história tem como ponto de partida a expansão Romana pelo norte da Europa. Decididos a dominar a região onde está a Alemanha, Roma envia suas poderosas legiões comandadas pelo General Públio Quintílio Varo auxiliado pelo Germânico Arminio, filho do Rei Segimero da tribo dos Queruscos.

A série apresenta um triangulo amoroso entre Arminio (Laurence Rupp), Folkwin wolfspeer (David Schütter) e Assimnelda (Jeanne Goursaud), traições e misticismo. Com apenas 6 episódios e roteiro enxuto, bárbaros figura entre as melhores produções originais da Netflix, provando que vale a pena apostar em conteúdo fora de Hollywood, como a também Alemã Dark e a Brasileira Bom Dia, Veronica!.

Bárbaros tem uma fotografia impecável, mas a trilha é um pouco genérica, nada que já não tenhamos ouvido em outras produções do gênero, como Vikings e The Last Kingdom.

O elenco é muito bom destaque para Jeanne Goursaud que praticamente carrega a série nas costas, tamanha a força de sua personagem Assimnelda.

As batalhas são bem coreografadas, os efeitos especiais são de primeira, não deixando nada a desejar às produções estadunidense. Há clichês, como a batalha na chuva, comuns em épicos, para deixar tudo mais dramático.

Por fim é uma série de primeira qualidade, faz algum tempo que a Netflix, não tem conseguido entregar produtos originais de qualidade, mas as produções estrangeiras tem salvado o pescoço do streaming.


Like it? Share with your friends!

Diogo Pereira

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

comentários