fbpx

Crítica | Um Príncipe em Nova Iorque 2


A continuação do clássico de 1988 estreou no Prime vídeo no dia 05 de Março, trazendo boa parte do elenco original e novos personagens. O filme gerou críticas divididas, alguns gostaram, outros detestaram. Há momentos engraçados, principalmente no início com a interação do trio, Eddie Murphy, Arsenio Hall e Mufasa…quero dizer Darth Vader… Ah sim James Earl Jones.

As críticas e autocríticas estão lá, fan-service inúmeros, como a menção aos irmãos Dukes. Em tempos de politicamente correto, o figurino de peles de animais deu lugar às cores e aos metais.

A trama tenta repetir o primeiro filme, mas o resultado fica longe, as elaboradas cenas de danças africanas vistos no primeiro, deram lugar a incontáveis cenas de música pop americana e Hip Hop. Nada contra, mas poderiam ter valorizado um pouco mais a cultura africana, os números musicais acabaram por transformar os personagens em meros americanos numa festa à fantasia de luxo. O roteiro tem diversos furos, mas como é filme de comédia, ninguém se importa muito, principalmente por que não havia tanto otimismo quanto ao resultado do filme.

As filhas do personagem, principalmente a mais velha Meeka (KiKi Layne) é uma das personagens que menos aparece, o conflito que seu desejo de ser rainha poderia gerar, não é explorado devidamente para dar mais espaço à Javelle Junson (Jermaine Fowler) e os testes principescos que, também, poderiam ser melhor explorados.

Wesley Snipes é um bom ator, quando lhe é oferecido a oportunidade, aqui ele se sai melhor que muitos coadjuvantes como Tracy Morgan e Leslie Jones.

Um príncipe em Nova Iorque é um bom filme para ser assistido uma única vez ou uma segunda vez durante uma semana chuvosa, depois de esgotarem todas as outras opções no streaming.


Like it? Share with your friends!

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

comentários